Calculadora mostra se vale mais comprar ou alugar o imóvel

São Paulo – A Calculadora FipeZap mostra ao usuário se vale mais a pena comprar ou alugar um imóvel do ponto de vista financeiro.

Ao informar alguns dados sobre as condições da simulação, ou utilizar as informações previamente preenchidas pelo ZAP, a ferramenta apresenta um determinado valor como base. Se o valor de locação do imóvel for menor do que o apontado, o aluguel é mais vantajoso. Já se o valor for superior, comprar a unidade compensa mais.

A indicação do valor é uma maneira prática de comparar a valorização do imóvel com a rentabilidade que poderia ser obtida pelo comprador caso ele investisse odinheiro da compra e continuasse a pagar aluguel, o chamado custo de oportunidade.

Se investimentos alternativos renderem menos do que a valorização do imóvel, vale mais a pena comprar a unidade. Porém, se a rentabilidade da aplicação for superior ao valor do aluguel, é melhor optar pelo aluguel e aplicar o valor que seria usado na compra.

Atualmente, as taxas de juros altas e a valorização dos preços dos imóveis abaixo da inflação podem fazer com que o aluguel seja mais atrativo, diz Eduardo Zylberstajn, coordenador do Índice FipeZap. “No entanto, é necessário considerar o cenário durante todo o tempo do financiamento ou prazo em que se pretende viver no imóvel”.

A ferramenta considera que os imóveis tenham uma valorização média de 6% ao ano. Portanto, a calculadora serve apenas como um indicador, pois pode não representar de forma precisa a valorização dos imóveis no futuro.

Como é feito o cálculo

Para chegar ao resultado, o usuário pode preencher por conta própria as informações solicitadas ou pode usar os valores sugeridos pelo ZAP. Os dados solicitados são: taxa média de juros paga em investimentos alternativos, taxa de do financiamento, prazo do financiamento, período em que o usuário pretende viver no imóvel, valor de compra do imóvel, valor de entrada necessário para financiar a casa ou apartamento e custo do seguro-fiança.

Os valores sugeridos pelo ZAP serão atualizados de tempos em tempos.

Além disso, a calculadora também leva em conta alguns valores pré-fixados pelo Zap e pela Fipe. Conforme mencionado, a ferramenta considera, por exemplo, que os preços de venda e de locação dos imóveis variam 6% ao ano (percentual médio estimado para a inflação pelo ZAP), e que os imóveis também têm uma depreciação de 1% ao ano, decorrente de questões como o desgaste do imóvel (essa taxa foi apurada por meio de um estudo realizado pelo ZAP).

Outros valores que estão incluídos no cálculo são os custos com cartório e taxa de corretagem, que incidem no momento de venda do imóvel.

O cálculo só pode ser feito para imóveis localizados em São Paulo e no Rio de Janeiro. O objetivo do ZAP é incluir mais cidades na ferramenta ao longo do tempo.

Anúncios

A casa mais famosa do Mundo celebra 80 anos

A casa mais famosa do mundo celebra 80 anos

O arquitecto norte-americano Frank Lloyd Wright, considerado o ‘pai’ da arquitectura moderna e orgânica, desenhou a casa mais famosa do Mundo, a Casa da Cascata, que celebra 80 anos em 2016.

A casa de Edgar e Liliane Kaufmann foi projectada por Lloyd Wright, e iniciada a construção em 1936 e terminada em 1939. Localizada a 50 milhas a sudeste de Pittsburgh, em Bear Run, na Estrada Rural 1, secção Mill Run de Stewart Township, Condado de Fayette, nas Laurel Highlands dos Montes Allegheny, Estado da Pensilvânia, Estados Unidos da América.

O projecto estrutural da Casa foi realizado por Frank Lloyd Wright em associação com Mendel Glickman e William Wesley Peters. Depois de alguns desacordos entre Wright, Kaufmann e o empreiteiro da construção, a obra foi realizada. O edifício está feito de tal forma que as quedas de água podem ser ouvidas do seu interior, mas as quedas só podem ser vistas quando se está de pé na varanda do piso mais alto. Este tipo de mistério de arquitectura geométrica intrigou mesmo o próprio arquitecto Wright.

A Casa da Cascata é uma casa pensada ao estilo japonês, tão do agrado de Wright e na sua ideia de integrar a casa na natureza e no convívio cada vez mais estreito entre o construído e a paisagem, na comunhão entre o interior e o exterior e tão bem conseguido neste projecto.

A Casa da Cascata custou na época, um total de 155.000 dólares.

Até 1963 pertenceu à família Kaufmann e nesse mesmo ano, Kaufmann, Jr. doou a propriedade ao Western Pennsylvania Conservancy. Em 1964, o edifício foi aberto ao público como museu. Actualmente, recebe mais de cento e vinte mil visitantes por ano.

Para saber mais sobre este projecto que ficará para a História da Arquitectura, visite o site: http://www.fallingwater.org/

Frank Lloyd Wright, foi um dos arquitectos mais visionários da História. Além do seu contributo como arquitecto, a sua vida foi também preenchida pelos acontecimentos mais inesperados. O amor e a tragédia fizeram parte da sua vida e além da sua obra arquitectónica, valerá a pena ler o romance histórico da jornalista norte-americana, Nancy Horan, ‘Querido Frank’, baseado na história de amor entre Mamah Borthwick Cheney e o famoso arquitecto americano Frank Lloyd Wright. Uma história marcada pelo fim trágico mas verdadeiro. Um arquitecto e um homem que vale a pena descobrir.

Janeiro: O mês onde as pessoas mais buscam o seu novo imóvel! (e que as empresas do mercado imobiliário dão menos valor)

Marketing Director na VivaReal

Ao contrário do que pensa a maioria dos profissionais do mercado imobiliário, que inclusive diminuem suas operações no período de férias, você sabia que janeiro é um mês de aumento na procura por imóveis? Detalhe: tanto por quem quer comprar quanto por quem quer alugar, e não apenas em cidades turísticas ou litorâneas, a demanda aumenta de forma geral.

Para embasar esta afirmação um tanto polêmica, levo em consideração não apenas o site de diversas imobiliárias, como também compartilho os dados do próprio portal VivaReal, que atualmente é o site de imóveis mais acessado do Brasil, recebendo mais de 13 milhões de visitas mensais. Além disso, também conto com a análise das tendências de busca do Google. Ou seja, dizer que janeiro é um mês de destaque, não é uma hipótese, é uma afirmação.

Veja abaixo o gráfico de visitas do portal VivaReal, e observe os pontos em vermelho que são os meses de janeiro nos últimos anos. Observe que representam picos de acessos em relação ao ano anterior.

Em relação ao volume de buscas do Google a importância de janeiro pode ser observada através da ferramenta Google Trends. Veja abaixo:

Interessante observarmos também, que janeiro não apenas é um mês destaque em buscas, mas também em geração de contatos, ou seja, as pessoas procuram de fato. Elas não apenas visualizam os imóveis, mas também enviam contatos para saber mais informações. Compartilhando mais um dado estratégico do VivaReal, atualmente geramos cerca de 2 milhões de contatos mensais, e assim como as visitas, durante o período também existe um aumento significativo neste quesito.

Mas afinal,  por que janeiro é um dos meses onde as pessoas mais buscam seu novo imóvel?

  • Benefícios recebidos no final de ano: Em dezembro, as pessoas contam com uma verba extra, oriunda principalmente de 13º salário, bônus e participação em lucro de empresas. Estes valores são um recurso a mais para levantar o capital necessário para aderir a um financiamento ou para garantir a possibilidade de mudança breve.
  • Período de férias: Passadas as datas festivas de dezembro, quando todos estão envolvidos em celebrações junto com amigos e família, chega janeiro, mês em que muitas pessoas tiram férias ou entram em um ritmo mais lento. Desta forma, elas têm mais tempo livre para buscar imóveis.
  • Resoluções de Ano Novo: Pode parecer besteira, mas o início de um novo ano marca também um momento de tomar decisões sobre quais serão os grandes acontecimentos na vida de cada um para o período que está começando. E mudar para um novo lar está entre uma das principais resoluções de Ano Novo!

Aos que trabalham no mercado, um ponto importante de pensarmos é que o trabalho neste período acaba refletindo também no sucesso de outros meses, afinal, o tempo médio que uma pessoa leva para alugar seu imóvel é 1 mês, e para comprar, 6 meses. Os profissionais e empresas que se dedicarem neste momento de baixa da concorrência e aumento da procura, certamente irão colher frutos de seu trabalho de janeiro a agosto (próximos 6 meses).

Se você atua em alguma empresa do segmento imobiliário que reduz as operações em janeiro (seja no tamanho da equipe ou nos investimentos de divulgação), as estratégias deveriam ser revistas, do contrário  é a certeza da perda de negócios.

 

Vizinhos comemoram fim do Autódromo de Curitiba

Mercado Imobiliário

(Gazeta do Povo) – 14/12/15

Vizinho de muro do Autódromo Internacional de Curitiba (AIC), no bairro Weissópolis, em Pinhais, na região metropolitana, o Condomínio Residencial Senna homenageia o principal ícone do automobilismo brasileiro, o tricampeão mundial de Fórmula 1 Ayrton Senna. Ironicamente, essa é a única menção positiva que os moradores do local fazem às corridas.

Apesar da vista ‘de camarote’, a reclamação pelo barulho ensurdecedor é geral. Por isso, eles estão na expectativa para o fechamento do circuito em 2016.

“Não consigo ver televisão na minha casa”, relata o inspetor de qualidade Belmano Alves da Nóbrega, síndico do edifício. “Eu até gosto de automobilismo, mas garanto que todos aqui estão torcendo para a venda do autódromo. O ruído é muito alto”, prossegue enquanto sua fala era abafada por um kart que acelerava no kartódromo anexo ao AIC.

Construído em 2014, o Residencial Senna não é exceção. Do outro lado…

Ver o post original 581 mais palavras

Escolha as melhores palavras-chave para o mercado imobiliário

Um dos fatores principais na hora de escrever um texto na internet é selecionar com cuidado as palavras-chave corretas. Muitas vezes pesquisamos um assunto de maneira detalhada, escrevemos com esmero um texto, mas esquecemos desse lado mais técnico da escrita online, que impacta na hora do Google e outros buscadores localizarem esse assunto.

Para todos aqueles que já construíram um site, ou escreveram um texto para blog, já leram mais de uma vez o termo “palavras-chave” (keywords). Basicamente, palavras-chave são um termo ou conjunto de palavras que descrevem o tema do site ou assunto do texto. Você pode usar essas palavras para descrever o conteúdo de sua postagem para as ferramentas de busca da internet (como o Google, por exemplo).

Faça o seguinte exercício: pense na lista de palavras-chave que julga essenciais para a sua empresa. Sua imobiliária poderia ter como palavras-chave, por exemplo:

  • Aluguel
  • Compra
  • Imóveis

Reserve um tempo para essa tarefa, e depois analise os resultados. Essas palavras-chave serão chamadas de sementes, que você poderá usar no futuro.

Agora pense em como as pessoas procuram essas sementes na internet. Ninguém coloca “imóveis” em uma pesquisa do Google. A tendência é colocar pelo menos o nome da cidade, e o objetivo. Ao invés de “imóveis”, algo que seria muito vago, provavelmente a pesquisa seria algo como “aluguel imóvel Porto Alegre”, por exemplo.

Coloque-se no lugar de seu público: sempre tenha em mente o que as pessoas vão pesquisar na internet. Para escolher palavras-chave, é importante ser preciso, se não as chances de você ser bem ranqueado numa pesquisa caem drasticamente.

Palavras-chave também podem ser muito úteis como maneiras de sugerir conteúdo para o seu blog. Escolhendo algumas palavras-chave que você julga serem relevantes para seu público, será mais fácil encontrar público para seu conteúdo.

O tema palavras-chave é vastíssimo, e essa é apenas uma introdução. Mas com ela, você já conseguirá direcionar melhor seus esforços, e os resultados devem aparecer em breve.Escolha as palavras chave para o mercado imobiliario

Lugares Saudáveis, pessoas saudáveis

Recentes pesquisas revelam que um número significativo de residentes nas grandes cidades brasileiras enfrenta barreiras para ter um estilo de vida mais ativo e saudável. Isto se deve principalmente pelos padrões urbanísticos ultrapassados do uso da terra adotados em nossas cidades. A inexistência de um planejamento urbano moderno torna difícil o incentivo para que as pessoas façam caminhadas, ciclismo, e tenham oportunidades de convívio com outros membros de suas comunidades. Apesar de vivermos em um pais de maioria jovem, 52 por cento dos entrevistados da pesquisa disseram que as áreas de lazer são muito longe para que eles irem caminhando, e 42 por cento disseram que as ciclovias em suas comunidades são insuficientes. Além disso, 34 por cento disseram que suas comunidades carecem de espaços ao ar livre para o exercício.

O estudo identificou que residentes de baixa renda são os mais susceptíveis de sofrer estas barreiras e sentir uma sensação de insatisfação com suas comunidades. Quase metade (49 por cento) relata que seus bairros não tinham espaços recreativos ao ar livre (em comparação com 31 por cento dos entrevistados de renda mais elevada), enquanto 54 por cento disseram que mais ciclovias são necessários em suas comunidades.

O mais interessante e que deveria ser motivo para nossos gestores públicos prestarem atenção é o fato de que, 52 por cento dos entrevistados disseram que preferem viver em um lugar onde não seria necessário usar um carro muitas vezes. Além de um estilo de vida de carro opcional, outros atributos muito valorizados na hora de escolher um lugar para morar seriam: a qualidade do ambiente (87 por cento), o acesso a alimentos saudáveis (79 por cento), espaços verdes (64 por cento), e acessibilidade (58 por cento).

Estas pesquisas deixam evidente que há uma discrepância significativa no que as pessoas desejam e sua realidade cotidiana.

Estes resultados podem servir como um alerta e um guia para como devemos projetar o futuro das cidades e o consequente desenvolvimento urbano, pensando o uso da terra como ferramenta para melhorar os resultados da saúde de todos, independentemente da renda, idade ou etnia.

Os dados coletados nas pesquisas fornecem uma visão única que pode ajudar a orientar os gestores públicos a legislarem sobre o uso da terra de forma mais atual, pois certamente isto trará impactos positivos na saúde das gerações vindouras.

Sabemos que ter boa saúde vai bem além de visitas a um consultório médico. Ela é muito influenciada por nosso meio ambiente e as condições que enfrentamos diariamente.

Atender estes anseios pode tornar as nossas cidades, vilas e bairros mais habitáveis, economicamente competitivos e sustentáveis para as gerações futuras.